Fornecedores de vergalhões e de algumas ligas fundidas na Europa estão repassando prêmios de lingote para seus clientes via contratos para 2015, na medida em que os prêmios de alumínio continuam a adentrar a indústria de transformação.

Como nos últimos dois anos, os altos prêmios para o metal primário estão sendo repassados a novos compradores, já que as companhias em cada ponto da cadeia tentam passar adiante os custos adicionais.

O prêmio pesquisado pela Metal Bulletin para alumínio na Europa chegou a superar US$500 por tonelada (taxas inclusas) na máxima histórica, correspondendo a cerca de 20% do custo de comprar alumínio.

Nos últimos dois anos, na medida em que a consolidação dos estoques de alumínio da London Metal Exchange em alguns pontos tem levado à ruptura do vínculo entre os preços na LME e o mercado físico, os prêmios têm respondido aos fundamentos do mercado de demanda forte e oferta apertada.

Em resultado, o prêmio é hoje um dos dois componentes essenciais no preço do alumínio, o outro sendo o próprio preço na LME.

Essas questões serão abordadas no seminário online da Metal Bulletin em 29 de janeiro de 2015, às 14:30 (horário de Brasília). Clique e saibacomo participar.

Para produtores de alumínio que vendem vários produtos em diversos estágios da cadeia de valor, é um caso de ter que educar uma série de consumidores sobre a nova realidade de precificação de alumínio.

Extrusores e empresas que abastecem a indústria automotiva na Europa em geral compreendem bem os prêmios, e agora é a vez de fabricantes de cabos (que compram vergalhões de alumínio) e de alguns compradores de ligas de fundição.

“Nós temos um comprador de liga de fundição na Europa, um fabricante muito grande, que ainda vem me perguntar o que é esse ponto de Metal Bulletin no seu contrato”, disse um produtor. “Nós temos que explicar que o metal tem valor intrínseco [que é refletido no prêmio], mas mesmo com toda a informação eles ainda assim argumentam contra.”

Um segundo produtor disse que o vergalhão de alumínio foi o único produto de valor agregado que ainda foi vendido em contratos com uma sobretaxa fixa além do preço na LME durante as negociações do ano passado, mas agora o cenário é outro.

"Considerando o tamanho do prêmio e de sua volatilidade, decidimos só oferecer [contratos de vergalhão] com um prêmio flutuante este ano", disse um segundo produtor. "Compradores de vergalhão já conhecem o preço na LME muito bem, porque eles também compram cobre, mas agora temos que explicar uma nova filosofia."

Um fabricante de cabos disse que enquanto seus contratos de vergalhão norte-americano incluem o prêmio MidWest em base flutuante por anos, seus contratos europeus sempre foram baseados em uma taxa fixa adicionada ao preço da LME.

Tradicionalmente, um contrato de fornecimento de vergalhão seria definido pelo preço de alumínio na LME mais uma sobretaxa fixa negociada em base anual, cobrindo custos de transformação, transporte, financiamento e os fundamentos do mercado de vergalhão.

Agora, no entanto, eles estão sendo baseados no preço do alumínio na LME, mais o prêmio Metal Bulletin em base flutuante, além da sobretaxa acordada.

Sob contratos antigos, o prêmio típico para vergalhão nos últimos dois anos ficou entre US$600-700 por tonelada, de acordo com o produtor de cabos. Com o novo modelo de contrato, as ofertas agora chegam com uma taxa adicional de mais de US$900 por tonelada sobre o preço da LME.

Um grande problema para os compradores é que eles não conseguem repassar o componente adicional prêmio para seus clientes, que no caso de produtores de cabo são em geral grandes empresas de energia.

"A dificuldade para os produtores de cabo é que eles estão presos entre uma grande empresa de alumínio e uma enorme empresa de energia, e é difícil repassar os prêmios", o segundo produtor disse. Em geral, eles têm dois segmentos de negócios – manutenção e projetos. “E os projetos vão ser bem difíceis [em 2015].”

O setor de fabricação de cabos não será o primeiro do mercado de alumínio a experimentar um ano difícil, vendo os prêmios entrarem em seus contratos com fornecedores, e tentando fazer a mesma coisa acontecer aos contratos com seus clientes.

"Vamos precisar destacar a questão para os nossos clientes", disse o fabricante de cabos. "É preciso tempo, porque nossos clientes não sabem sobre os prêmios. Precisamos educá-los."

Jethro Wookey
jwookey@metalbulletin.com
Twitter: @jethrowookey_mb