Bem-vindo à festa – uma carta sobre prêmios à indústria de transformação de alumínio

Você é um fabricante de cabos na Europa. Você compra, junto com outros metais, vergalhão de alumínio de um grande produtor e vende cabos para uma grande empresa de energia. Isso quer dizer que agora você tem um problema.

Você é um fabricante de cabos na Europa. Você compra, junto com outros metais, vergalhão de alumínio de um grande produtor e vende cabos para uma grande empresa de energia.

E isso significa que um problema que vinha se desenhando nos últimos anos agora chegou até você.

Seu fornecedor de alumínio não quer mais vender para você só com base no preço da London Metal Exchange (LME) mais um valor adicional negociado anualmente.

Ele quer vender com base no preço LME, mais algo chamado prêmio Metal Bulletin, isso além do valor adicional que já seria incluído na conta.

É semelhante ao modo como seu fornecedor de cobre define o preço do cobre na LME, mais o prêmio Codelco, mais uma tarifa adicional – exceto pelo fato de que o prêmio Metal Bulletin para alumínio em armazém de Rotterdam, impostos pagos, é muito mais elevado.

O que está acontecendo? Por que esse prêmio Metal Bulletin agora faz parte do seu contrato? Por que a discussão sobre prêmios tem ganhado força?

Essas questões serão abordadas no seminário online da Metal Bulletin em 29 de janeiro de 2015, às 14:30 (horário de Brasília). Clique e saiba como participar.

Prêmios avançam na cadeia de valor
Desde que os prêmios de alumínio atingiram novos recordes em 2012, eles têm adentrado a cadeia de valor da indústria.

Na Europa, os prêmios já fizeram esse trajeto no setor automotivo, passando do produtor de alumínio para o laminador ou fundição, para fabricantes de equipamentos originais e finalmente para o fabricante de automóveis.

O comprador de vergalhão na Europa já foi arrastado para esse turbilhão.

Você já deve ter ouvido que os altos prêmios são causados pelos estoques da LME que estão atraindo muito metal, ou que os prêmios estão sendo manipulados por empresas financeiras que estão investindo no metal e tirando-o do mercado.

Mas embora o rápido aumento dos prêmios em 2012 tenha sido resultado direto da competição com incentivos pagos por empresas de armazenagem, este não é o caso nos últimos dois anos.

E as companhias financeiras são apenas outra forma de demanda: o financiamento de metal é tão antigo quanto o próprio mercado.

A verdade é que diversos fatores têm contribuído para o aumento global dos prêmios de alumínio, mas nos últimos 12 meses o movimento tem sido motivado principalmente pelo cenário de forte demanda e oferta apertada.

O peso do preço na LME no custo total do alumínio tem diminuído pelo simples fato de que não é possível conseguir garantias para material de armazéns registrados sem pagar um prêmio substancial.

Como resultado da consolidação dos estoques de alumínio em armazéns principais e a formação de enormes filas para entrega nesses locais, o papel da LME como fornecedor para o mercado físico tem diminuído – na verdade, ele só é ativado pelo pagamento de um alto prêmio.

O preço “all-in” – preço LME mais prêmio – agora é o preço de mercado.

Este tem sido o cenário por dois anos, e deve continuar assim pelos próximos anos, e é por isso que os contratos de longo prazo com adição de prêmio como os pesquisados pela Metal Bulletin estão adentrando cada vez mais na cadeia do alumínio.

Recuperação de preço

Os preços do alumínio na LME estavam em menos de US$1.300 por tonelada no final de 2008, mas desde então subiram para cerca de US$2.000 por tonelada – um aumento de 54%.

Quando se adiciona o prêmio do alumínio (taxas pagas) para se chegar ao preço “all-in” do metal, o aumento no período passa de 54% para 92%. Enquanto isso, os preços do cobre subiram 145% desde as mínimas de 2008.

Assim, mesmo com a inclusão do prêmio no preço final de hoje, o custo de comprar alumínio ainda não aumentou tanto quanto o custo de compra de outros metais. É só que a forma de fazer isso mudou.

Uma grande preocupação para muitos é que não é tão fácil fazer hedge para prêmios como é para fazer hedge para preço da LME.

Outra preocupação é que o prêmio poderia cair tão rapidamente quanto subiu, e que qualquer comprador que assina um contrato de longo prazo com um componente de prêmio fixo poderia sair perdendo.

Muitos pensam que assim que os negócios de armazenagem perderem lucratividade, os estoques serão lançados no mercado e os prêmios vão despencar diante da oferta adicional.

Isso poderia acontecer se taxas de juros crescentes tornassem empréstimos muito caros quando comparados aos retornos disponíveis, ou se o achatamento do contango na curva futura destruíssem esses retornos.

Qualquer um dos cenários -- ou ambos-- poderiam acontecer, mas o alumínio não seria despejado no mercado em grandes volumes porque ainda levaria tempo para o metal ser fisicamente retirado dos galpões.

Os estoques de alumínio somavam recentemente mais de 4,4 milhões de toneladas nos armazéns registrados na LME e estimativas conservadoras de armazéns não registrados levam o nível de estoque global do metal para cerca de 10 milhões de toneladas.

Isso representa cerca de um quinto dos níveis anuais de fornecimento e levaria mais de um ano para ser entregue ao mercado.

Se isso acontecesse, os prêmios cairiam um pouco devido ao volume adicional de metal, mas não haveria um retorno aos níveis pré-crise financeira, nem para os prêmios nem para os preços na LME.

Para resumir, parece que os prêmios continuarão com um peso relevante por algum tempo – e mesmo que eles caiam, diretores financeiros e gerentes de risco na cadeia do alumínio provavelmente resistirão à tendência de retirá-los de seus contratos, dado os problemas que eles têm causado nos últimos anos.

O que deixa você com a tarefa pouco invejável de tentar convencer as empresas de energia para as quais você vende de que seus preços de cabo também precisam passar por uma evolução semelhante.

Seus fornecedores poderão dar algumas dicas. Afinal, eles já estiveram onde você está agora.

Jethro Wookey
jwookey@metalbulletin.com
Twitter: @jethrowookey_mb

Recent Base Metals News

Editor's pick